Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/03/16 às 15h50 - Atualizado em 29/10/18 às 10h45

Construção abriu 6 mil postos de trabalho em fevereiro

COMPARTILHAR

 Em relação a janeiro, número representa alta de 9,5% no setor, seguido pela indústria de transformação, com 4,4%

Rafael Alves, da Agência Brasília


 

30 de março de 2016 – 10:58

26107010046 dae1087f75 z


Atualizado em 30 de março de 2016, às 12h23

O nível de ocupação (proporção entre a população ocupada e a em idade ativa) no mercado de trabalho do Distrito Federal em fevereiro aumentou 9,5% na construção (6 mil postos) e 4,4% na indústria de transformação (2 mil). No entanto, houve diminuição geral de 1,2% no contingente de pessoas com alguma ocupação profissional. Os dados constam da Pesquisa de Emprego e Desemprego, divulgada nesta quarta-feira (30), na sede da Companhia de Planejamento (Codeplan), no Setor de Administração Municipal.

A estimativa da quantidade de desempregados no mês em análise foi de 265 mil — 8 mil a mais em relação a janeiro. O resultado decorre da redução de 1,2% do nível de ocupação (eliminação de 16 mil postos de trabalho, atenuada pela menor saída de pessoas da população economicamente ativa (-0,5%) ou menos 8 mil postos). A taxa de participação, indicador que estabelece a proporção de pessoas a partir de 10 anos no mercado de trabalho como ocupadas ou desempregadas, passou de 61,2% para 60,8% no período avaliado.

Na avaliação da coordenadora da pesquisa, Adalgiza Lara Amaral, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), os números altos de desemprego ainda são reflexo das demissões neste início de ano. “Até março é possível sentir um peso forte das contratações sazonais. Diversas demissões ocorrem até o fim deste mês”, destaca. “Há expectativa, porém, de melhoria nos índices de desemprego para o segundo semestre de 2016.”

Regiões 
De acordo com os dados apresentados, regiões administrativas de renda intermediária (Candangolândia, Cruzeiro, Gama, Guará, Núcleo Bandeirante, Planaltina, Riacho Fundo, Sobradinho e Taguatinga) registraram elevação na taxa de emprego (de 13% para 14,4%), enquanto as de renda mais alta (Lago Sul, Lago Norte e Plano Piloto) ficaram quase estáveis (mudaram de 7,8% para 8,2%). Regiões de renda mais baixa (Brazlândia, Ceilândia, Paranoá, Recanto das Emas, Samambaia, Santa Maria e São Sebastião) fecharam fevereiro com estabilidade na taxa de desemprego, permanecendo em 20,5%.

Em relação ao tipo de inserção ocupacional, a pesquisa mostrou que o grupo de trabalhadores assalariados apresentou leve redução (-0,7% ou menos 7 mil postos), resultado da estabilidade no setor privado e da redução no setor público (-2,2% ou menos 6 mil). Ainda de acordo com o levantamento da Codeplan, no setor privado, houve pequeno crescimento do assalariamento (contratação mediante salário) com carteira de trabalho assinada (0,7% ou 4 mil) e diminuição daqueles sem carteira (-5,6% ou menos 5 mil). No número de empregados domésticos foi registrada estabilidade e na de autônomos, decréscimo (-1,3% ou menos 2 mil).

O estudo é feito pela Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, pela Codeplan e pelo Dieese, em parceria com a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados de São Paulo.

Acesse a íntegra da Pesquisa de Emprego e Desemprego – Fevereiro 2016

Leia também:

Indústria de transformação ganha 4 mil postos de trabalho no DF